Como o rap mudou a vida de Chay, mãe de Caverinha e Kayblack

Charlene Cristina, 39, foi de dona de casa à empresária, recuperou sua autoestima e é feliz ao lado dos seis filhos e dois netos e marido.

Por: Julia Reis

Há três anos, Charlene Cristina de Queiroz, 39, me recebia de braços abertos e um sorriso acolhedor. Procurando pauta, encontrei um vídeo caseiro do MC Caverinha e fui atrás para contar sua história. Quando cheguei lá, ele estava de durag, Jordan e uma corrente no pescoço. Os outros filhos, já de uniforme, estavam ansiosos para a hora do almoço na escola. Com a geladeira vazia e o coração enorme, ela nos recebeu ao lado de Rubens Benevides Menezes, 44, e prometeu um churrasco num futuro de êxito. Enquanto não chegava, pediu para Kaique, hoje conhecido como Kayblack, comprar um Dolly na vendinha a alguns metros de casa.

“Pra mim ali era… Sabe a mansão? Ali era o tudo. Eu coloquei eles lá dentro, olhei e falei: ‘Aqui, sim, vocês estão protegidos e aqui é de vocês.’ Começamos a recomeçar nossa vida.”

Com o marido e os seis filhos, a família tinha sido despejada há pouco de um outro local. Na ocasião, foram surpreendidos por um trator pronto para derrubar a casa recém-comprada. Vítimas de um golpe, o domicílio estava em um terreno particular.

Grávida, já enfrentou reintegração de posse e chegou a morar em um carro e na casa do irmão. Com o sucesso de Caverinha e Kayblack, hoje mora em um condomínio fechado na região metropolitana de São Paulo. O sonho do príncipe do Trap foi realizado.

Da esquerda para direita: Kelvin (sentado), Kauê, Rubens, Laysa, Kassio (sentado), Chay e Kauã. Foto: Gabrielle Neves/Brasa Mag

Antes disso, venceu muita batalha. Por um bom tempo, Charlene deixou de se amar e perdeu a vontade de olhar no espelho. “Eu só pensava neles, então tudo que ia fazer na minha vida era por eles”, diz. A pressão de maternar sem recursos exigiu que ela dedicasse seu tempo integral a Kaique (21), Laysa (20), Kauã (16), Kauê (13), Kelvin (8) e Kassio (5).

“O que me ajudou muito foi a mudança que, graças a Deus, eles conseguiram fazer na nossa vida, uma mudança da água pro vinho. […] Hoje em dia, eu posso me ver, me olhar me amar. E é tão gostoso.

Chay e seu caçula, Kasio. Foto: Gabrielle Neves/Brasa Mag

O rap mudou a vida de Chay, que sempre apoiou o sonho dos filhos. “Como eu brequei minha vida lá atrás, hoje eu tô vivendo melhor.” A casa toda a trata como uma rainha: já fez tratamento de beleza no programa da Eliana e, constantemente, ganha flores e carinhos do marido, Rubens, dos filhos e dos dois netos.

Na parte externa da casa, enquanto as crianças disputam o carinho da mãe, ela reflete sobre sua fortaleza. Grávida de Kaique, Chay não estava preparada para ser mãe. “Você fala: ‘ou eu aprendo ou eu aprendo, porque tem alguém que hoje depende de mim.”

Kayblack, a fortaleza da família

Kay ao lado da mãe. Foto: Arquivo pessoal.

Chay conheceu Rubens com 17 anos. Ela trabalhava organizando eventos políticos e ele era de um grupo de pagode. O amor começou na roda de samba e foi no ambiente da música que Kay nasceu. “Quando eu tive ele, eu descobri uma força que não sei aonde tava”, conta para a Brasa Mag.

Ela lembra que nos primeiros momentos, tinha vontade de voltar para os braços da mãe Terezinha. Para Chay, deixar de ser filha para se tornar mãe foi uma transição muito importante em sua vida.

Dois anos depois, nasceu Laysa. “Eu sempre quis muito ter um casal. E dali aconteceu de vir o Kauã, sem esperar. Ali já começou a assustar. Aí foi acontecendo.” Aconteceu Kauê (o MC Caverinha), Kevin e Kassio, o caçula que quer ser o próximo artista da família.

A ligação divina com o príncipe do Trap

Da esquerda para direita: Chay, Caverinha, Kelvin, Kauã, Kassio e Julia. Foto: Gabrielle Neves/Brasa Mag

Tomar uma decisão tão importante pelo filho foi uma prova para Chay. Quando MC Caverinha começou a fazer sucesso, ela passou por dias e dias de preocupação. “Eu via muitos artistas novos que passaram por muita coisa de depressão, que a música mexeu com a mente. Eu tinha medo do que eu tava fazendo. Porque ele era criança, aí ia chegar uma hora que ele ia falar: ‘mãe, porque você deixou?’ Ou ‘mãe porque você não deixou?’.”

A forma que a mãe tinha de proteger o filho era mostrando a realidade da vida. “Mostrei que a vida não é só fantasia, é a realidade. Se for por esse lado do bem, você vai colher o bem. Se for pelo lado do mal, você vai pelo mal.”

E foi entendendo a realidade da vida que Caverinha e Kayblack se tornaram dois grandes compositores na cena do rap nacional, conquistando fama, reconhecimento e um respeito entre os grandes artistas. Com essas vitórias, Kauê conseguiu realizar o sonho de dar uma casa para a mãe. Mas ele quer mais.

“Eu quero dar uma coisa melhor que ela merece muito. Que ela já batalhou com nóis sempre, sempre andou com a gente, então quero dar uma coisa melhor, que ela vai se sentir bem. Que ela seja a rainha.”

MC Caverinha durante a entrevista da mãe. Foto: Gabrielle Neves/Brasa Mag

De rainha à empresária

Atualmente, Chay é sócia e empresária do MC Caverinha e de Kayblack, tem uma equipe e está a par de toda a trajetória dos filhos. Além disso, ajuda a cuidar da filha de Laysa e acompanha Kauã, Kelvin e Kassio nas obrigações do cotidiano. “Antes era só mãe e dona de casa. Hoje estou a par de tudo que tá acontecendo na vida deles”, explica.

“Deixar de ser só mãe e dona de casa pra hoje entender algumas coisas no meio da música é muito importante. Está sendo uma experiência muito gratificante na minha vida.”

Quando pergunto a ela qual seu sonho, a empresária diz que já está mais que realizado. Olhando os filhos reunidos jogando bola na beira da piscina, Chay diz: “O maior sonho meu era esse. Eu sinto essa paz. Pra mim, a felicidade deles não tem preço, é só gratidão a Deus que eu sinto todo dia.”

Compartilhe nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter

1 comentário em “Como o rap mudou a vida de Chay, mãe de Caverinha e Kayblack”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Somos veículo de revolução