Racionais MCs, BK e Dj Tamy celebram o Hip Hop no palco da Fundição Progresso

Dica da repórter: comece a observar as pessoas das primeiras filas de show. É bonito, geralmente são as mais apaixonadas.

“Os quatro pretos mais perigosos do Brasil”. É assim que popularmente o quarteto Racionais MCs se define. Com a vinda da pandemia, a sequência de shows que o grupo tinha pela frente precisou ser interrompida, e lá se foi mais de um ano fora dos palcos. Neste sábado passado (29), Mano Brown, Ice Blue, Edi Rock e KL Jay retornaram com a primeira apresentação em uma casa de show.

O local escolhido para a volta foi a casa Fundição Progresso, patrimônio cultural carioca localizado na Lapa, que se movimenta em prol da cultura desde 1982. O evento foi marcado antes do início da pandemia e há alguns meses não tinha data de acontecimento, aconteceu graças ao avanço vacinal no Rio de Janeiro. Uma noite de público diverso, com idades distintas, mas algo em comum: todos tinham no mínimo as duas doses da vacina contra o COVID-19.

Além da atração principal, DJ Tamy e o rapper BK também deram o toque festivo necessário para essa comemoração. A DJ carioca resgatou toda a essência da Black Music com um DJ set atemporal. 50 Cent, Black Alien, Filipe Ret e Erica Banks foram só alguns dos nomes presentes na sequência musical preparada por Tamy. Entre músicas dos anos 80, 90 e 2000, a DJ sacudiu a pista e nos deu boas vindas enquanto também nos convidava para receber com energia as atrações que viriam.

Foto por Lilo Oliveira

Enquanto Tamy nos fazia reproduzir os melhores passinhos, o fundo com o nome da DJ sumia aos poucos do telão e dava lugar para cruzes vermelhas e imagens da cidade do Rio de Janeiro. Era um sinal: Abebe Bikila estava chegando. A confirmação se dá quando vemos a mobilização da equipe com equipamentos e a chegada de Diaz, DJ do BK. DJ Tamy se despediu e nos comunicou com alegria que em breve estaria de volta ao som de muitas palmas do público.

BK inicia o show com a incrível citação que abre “Movimento”, a primeira faixa do seu álbum “O Líder em Movimento”. Diaz solta o beat e tudo acontece: a Fundição Progresso entona em coro que “eles querem matar o mano que resiste, e nós queremos ser livres”. A presença de JX, seu companheiro de palco também dá o tom para o show. A sinergia entre a dupla faz com que o público levante o astral ao máximo.

Foto por João Victor Medeiros

Foi notável que o show foi ansiosamente esperado pelo público e que o momento estava valendo a pena. Me vi vibrando com “Universo”, e relaxando com as mãos pra cima enquanto cantava o refrão de “Quadros”, que Ashira e Luccas Carlos registraram com maestria no Hip Hop nacional. BK entregou pra gente uma apresentação muito coerente, com faixas diversas de todos os seus álbuns. O rapper também fez uma certa repórter chorar quando cantou “Planos”, e despertou risadas da sua plateia quando ao acabar o som entonou um “po, desculpa, tropa!”.

Foram alguns minutos de pausa após o show de Abebe. O público aproveitava para recuperar o fôlego e se recompor para receber a atração principal da noite. Os Racionais MCs chegam ao palco da Fundição Progresso desejando boa noite pra geral enquanto o beat de “Capítulo 4, Versículo 3” tocava ao fundo e o público começava a gritar a música em coro. Enquanto as luzes amarelas do palco acendem, as diversas mãos se levantam entonando “Aleluia”, como se estivéssemos numa celebração religiosa.

Foto por Jef Delgado e Tassio Yuri

A presença de Jorge Paixão, ou Lord Joker, deu um toque especial ao show. O artista performava o repertório e botava ritmo no público que fazia questão de cantar os sons com toda a voz. Ter Jorge no palco trouxe um ar performático para a experiência que é assistir Racionais e suas letras fortes, marcantes e que representam o povo preto brasileiro. Esse mesmo ar foi encontrado na live que o grupo gravou no dia 14/12 ano passado. Além da performance de Jorge, o uso dos microfones de cabeça reforçavam a ideia: os artistas se mostravam mais soltos e com mais mobilidade para interpretar, enquanto em alguns momentos a tela de fundo mostrava KL Jay e suas mixagens em progresso com proximidade.

Foto por Jef Delgado e Tassio Yuri

Após uma hora de apresentação, muita emoção por parte do público e um champanhe estourado no palco por Ice Blue, os quatro pretos mais perigosos do Brasil agradecem ao Rio pela recepção e se despedem. KL Jay solta “You’re The Man” de Marvin Gaye e “Back To Love” de Evelyn “Champagne” King, e enquanto as músicas tocam eu me desassocio das sensações dessa noite.

DJ Tamy retornou como prometido, e finalizou o baile lindamente. As atrações e suas performances explicitaram o quanto a noite foi importante para o Hip Hop. Ver pretos num palco tocando e cantando sobre nós e para nós às vezes pode ser inspirador. Para mim, é sempre uma experiência.

Compartilhe nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Somos veículo de revolução