Sem medo e com muita liberdade, YEBO representa a perspectiva de mulheres no streetwear

Idealizada por duas mulheres pretas, a marca nacional YEBO está ganhando o cenário do streetwear em um mercado majoritariamente masculino. Eliane Dias, empresária, e sua filha Domenica Dias convocaram um time para materializar o sonho coletivo. Com recorte feminino, há um ano possuem o intuito de desmistificar pensamentos antiquados exalando suas expressões artísticas através da moda.

A tradução do nome diz muito sobre a marca. A gíria sul-africana significa “sim”, e essa afirmação tem muito a dizer: Mulheres podem produzir suas próprias peças, devem se vestir da forma que almejam e, sim, é possível uma mulher usar roupas largas e se sentir sexy sem toda a hipersexualização. A moda é como uma trilha sonora de um filme que está aqui para nos contar uma história. Os “sims” não param.

Na década de 1980 em Los Angeles surgia o “streetwear”. Definido por peças casuais, largas e confortáveis, a tendência desbravou o mundo ao ser replicada pelo público das ruas, como skatistas, surfistas e a cultura Hip-Hop, que é hoje um dos maiores impulsores de tendências.

Para celebrar o empreendimento preto, a Brasa Mag trocou uma ideia com a fundadora da YEBO, Domenica, que fala sobre o futuro da moda, a construção de uma marca no contexto pandêmico e muita arte. Confira:

Brasa Mag: A moda sempre esteve presente na sua vida, mas quando surgiu a vontade de criar uma marca?

Domenica Dias: Surgiu de uma vontade que minha mãe tinha de trazer produtos mais sustentáveis para o universo feminino. Não tinha uma proposta de fazer uma marca, porque até então não existiam outros produtos […] Ela falava: ‘as mulheres são tão fieis à gente, então eu quero fazer alguma coisa que seja mais focado para as mulheres!'”

Eu nem tinha a pretensão de trabalhar criando em moda. Sempre gostei, mas era tudo muito pra mim, e acho que é uma questão gigantesca fazer coisas pra pessoas. A marca demorou mais de seis meses para de fato nascer e aí vem nesse contexto pandêmico. Está sendo ainda muito difícil, as coisas custam muito caro e a gente tem uma premissa de fazer coisas que a gente gostaria de comprar.

Então, eu visto isso porque eu realmente gosto e se fosse pra marca de outra pessoa, eu pagaria.

Brasa Mag: Como funciona orquestrar uma marca 100% online?

Domenica Dias: A gente passou por milhões de questões, mas entendemos uma forma de se adaptar, se ajudar, que é a coisa mais importante. Descobrimos o que é essencial e confiamos no trabalho da outra. Eventualmente a gente quebra a cara. Sim, né? Confiar, tem esse outro lado da moeda. Passamos por alguns episódios e acho que isso está dentro do contexto de empreender né? (risos)

Brasa Mag: Criar relações é realmente difícil. Precisamos aprender a lidar com as frustrações que todo processo acarreta. Como você lida?

Domenica Dias: É… Precisamos nos relacionar com ela bem, pegar na mãozinha dela e falar: ‘Tá tudo bem, estamos juntas!’. Passei por várias desde o sentimento da criação que é ‘maravilhosa as pessoas vão amar, vão abraçar essa peça como nunca, não tem nada parecido’. E então as pessoa não compram. É difícil, mas aprendemos a crescer e ir identificando cada vez melhor os processos, diminuindo então toda essa frustração.

Brasa Mag: Qual a estrutura da YEBO?

Domenica Dias:  Somos ao total quatro pessoas, mas temos um time terceirizado, grande parte do serviço é terceirizado porque a gente não tem estrutura de fazer. Eventualmente pessoas que estão dentro e não estão trabalham com a gente em outros lugares e se precisamos de ajuda elas estão ali, que nos apoiam.

Brasa Mag: Aqui na revista somos majoritariamente formada por mulheres, tendo apenas um homem trabalhando conosco. Sua marca é bem parecida nesse sentido. Como é trabalhar com mulheres?

Domenica Dias: O que está muito intrínseco no trabalho com mulheres e que pra mim é muito precioso é a compreensão. Acho que desde o começo é a coisa que eu mais trabalho em mim, no lugar em que estou. Não sou chefe de ninguém, mas assim, no lugar que estou de ter um certo poder dentro da minha função na marca, o que mais me sinto na obrigação de trabalhar e sempre vou precisar é a compreensão, empatia, paixão.

Sendo mulher preta é sempre difícil. Questões que eu tenho certeza que se eu fosse homem, se eu fosse mais velha, seria diferente.

A credibilidade é muito difícil, porque as pessoas abrem o livro com o nome dessa marca, e ela quer contratar o meu serviço. Quando abrem a câmera e  dão de cara comigo, a baby face né, não dão credibilidade. E as pessoas que trabalham comigo se parecem comigo tipo, são mulheres pretas e uma mulher branca, todas jovens, todas da periferia.

Brasa Mag: Dentro desse tratamento diferenciado, qual a diferença do desenvolvimento interno quando se está junto de pessoas iguais à você?

Domenica Dias: Entendo que em algum momento pode ser que o trabalho que elas estão desenvolvendo vai ser atravessado por alguém que não está dando confiança para o que ela está fazendo, que não responde na hora, que vai fazer piadinha, não vai tratar do jeito que ela merece, que vai querer atrapalhar, porque isso acontece comigo e eu sei que com elas também está acontecendo.

A compreensão delas comigo e minha com elas acho que é um dos elos mais importantes que a gente estabeleceu. Não quero que você precise de validação minha o tempo todo, eu confio em você. Então esse ganho de confiança uma com as outras é um processo que é construído diariamente.

O medo não perpassa nas nossas relações. Não tem insegurança, não tem pisar em ovos para falar […] Estabelecer essa relação de intimidade e de humanidade no trabalho faz uma diferença gigante.

Brasa Mag: Dê um conselho sobre empreender para nossos leitores?

Domenica Dias: Como nunca tinha empreendido de uma forma séria, não estava preparada. Você vai perder a confiança, então ao longo desse um ano descobri que a gente é obrigada a confiar nas pessoas, então neste sentido é muito difícil, mas por outro lado descobri pessoas incríveis que pude confiar, que pude contar, e é muito por conta dessas relações que estamos de pé, está andando e está acontecendo. Acho que quando as coisas começarem a fluir melhor, aqui vai fluir melhor do que já está agora. Ainda é difícil, ainda é com muito custo que as coisas saem, qualquer coisa é custosa de fazer. Você sabe porque tem um projeto, então qualquer coisinha mínima custa.

YEBO é sobre amor e muita expressão artística. Se você é louco por kits exclusivos e desenvolvidos por marcas nacionais a Brasa Magazine em parceria com a YEBO libera o cupom: BRASAMAG15, com 15% de desconto. Corre e vista atitude dos pés à cabeça.

Compartilhe nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter

Somos veículo de revolução