Você conhece a pioneira do Hip Hop?

Por Karina Lima

Ao pesquisarmos sobre o tão importante 11 de agosto de 1973, a famosa data que marca o nascimento da cultura Hip Hop, percebemos que a mídia tradicional da ênfase a nomes como o de Kool Herc, Bambaataa e Grandmaster Flash entre outros nomes masculinos. Isso é comum pensando na estrutura patriarcal na qual estamos inseridos. A verdade é que embora a contribuição desses personagens tenha sido fundamental para a história, é necessário deixarmos evidente que houve contribuição feminina nesse processo e em especial, a da brilhante Cindy Campbell.

Cindy foi a primeira produtora de um evento de Hip Hop no mundo, além de ter sido B.girl, antes do termo existir e também grafiteira, assinando com a tag PEP-1(174). Na noite da festa, a jovem alugou a sala de recreação por US $25 e cobrou a entrada, fazendo um preço de 25 centavos para as meninas e 50 centavos para os meninos.

Cindy também tem uma contribuição efetiva na indústria da moda como modelo. Ela já trabalhou com muitos designers influentes, além de ser graduada pelo Fashion Institute Of Technology de Nova York e ter sido concorrente do concurso de beleza Miss Black America.

Na história, é recorrente que a personalidade da mulher seja baseada sempre na figura do homem, sendo elas as esposas, as irmãs, as primas dos “protagonistas” apagando totalmente as condições profissionais femininas. No caso de Cindy, sua história foi resumida como a irmã do DJ Kool Herc, mas apesar do laço familiar com o jamaicano, partiu dela a ideia de realizar a festa do dia 11 de agosto com o objetivo de relembrar os tempos de Sound System na Jamaica.

Não restam dúvidas de que o Dj Herc teve um grande papel na festa, pois tocou os melhores ritmos da noite, deixando a platéia completamente entusiasmada, mas Cindy Campbell foi a peça que originou o início do Hip Hop, pois foi quem organizou o evento e convenceu seu irmão a tocar no Bronx.

É impossível falar sobre a história do Hip Hop sem falar sobre o papel de Cindy na construção e efetivação do movimento. O apoio e a ligação da jamaicana com seu irmão abriu grandes portas para a representatividade e a consolidação da mulher na cultura, pois ela sempre estava envolvida em todas as organizações das festas que prosseguiram no Bronx.

Depois de Cindy, outras mulheres se movimentaram para tornar o Hip Hop mais acessível e desenvolvido. Entre elas, diversas intelectuais, grafiteiras, comunicadoras, Mc ‘s, B-girls, produtoras musicais, modelos e DJS. Além disso, a jamaicana é a fundadora do Hip-Hop Preserve Inc., uma organização sem fins lucrativos que preserva a cultura e ajuda artistas.

Compartilhe nas suas redes sociais

Share on facebook
Share on twitter

Somos veículo de revolução